Fluviário de Mora reabriu hoje ao público (Com Fotos)

6 Abril 2021, 22:02 Não Por João Dinis

O Fluviário de Mora, o primeiro Museu-Aquário da Europa, inaugurado a 21 de Março de 2007, e que conta com uma média anual de visitantes entre os 45 a 50 mil pessoas, reabriu esta terça-feira, 6 de Abril, depois de cerca de três meses encerrado, em virtude das medidas impostas pelo combate à pandemia da Covid-19.

No primeiro dia, e apesar de ser um dia de semana, foram já bastantes os visitantes que regressaram ao espaço. Entre famílias com crianças, e jovens casais, foram cerca de duas dezenas os visitantes que marcaram presença no espaço que fica junto ao Açude do Gameiro, e onde se podem ver de perto espécies que vivem na água doce, a sua maioria de Portugal, bem como outras que vivem na Península Ibérica, e também da bacia hidrográfica do rio Amazonas e dos grandes lagos africanos do vale do Rift.

Luís Simão Matos, Presidente da Câmara Municipal de Mora, salienta-nos a importância deste equipamento no seu concelho, que “dinamiza e promove o turismo local”, levando anualmente milhares de pessoas até à vila alentejana.
O ano passado iriamos bater certamente o recorde de visitantes, tendo em conta as marcações de visitas de grupos, escolas, universidades séniores que tínhamos iria ser um ano exepcional para o nosso equipamento”, lamentando dessa forma o cancelamento das visitas em virtude da pandemia, referindo ainda que “os eventos que aqui realizamos, como o mês das Migas, a Feira da Pesca, a nossa Feira anual, são também momentos em que o número de visitantes cresce significativamente”.

O autarca alude também à Rota da Estrada Nacional 2, que atravessa o centro de Mora, e que “trás também inúmeros visitantes ao concelho e por consequência ao Fluviário”, considerando que esta foi mais uma aposta ganha do município ao cuidar, promover e divulgar-se nos municípios integrantes da, agora, mais famosa estrada portuguesa.

Esperamos que agora as pessoas possam continuar a disfrutar, não só do Fluviário, como de todo o espaço envolvente onde impera a natureza, sinal que a pandemia nos permitia o regresso à normalidade”, conclui o autarca, que destaca também o facto do concelho há mais de cinco semanas não ter qualquer caso de Covid-19.