Mora com PDM de terceira geração com ganhos substanciais para a construção e investimento no concelho

1 Março 2021, 22:47 Não Por João Dinis

A Câmara Municipal de Mora aprovou recentemente o novo Plano Director Municipal, que entrará agora em breve em discussão pública, sendo depois aprovado em Assembleia Municipal e entrando de imediato em vigor, tudo indica que já no primeiro semestre deste ano.

De acordo com Luís Simão Matos, Presidente da Câmara Municipal de Mora, este PDM de terceira geração vai permitir maior liberdade para quem queira investir e construir no concelho de Mora. “É a partir do PDM, que quer em termo de previsão de investimentos, previsão do crescimento das malhas urbanas forma daquilo que tem de ser feito quando se faz uma construção e opções estratégicas de desenvolvimento do concelho, tudo está neste plano”, começa por referir o autarca.

Luís Matos acrescenta que este “é de facto um plano de terceira geração, o nosso último PDM, e que está em vigor, foi aprovado em 2008 e demorou dez anos a aprovar”, referindo este que “ao fim de três anos temos um plano pronto para ser aprovado, que já foi aprovado em reunião de Câmara, vai entrar em discussão pública e estamos a tentar que fique definitivamente aprovado pela Assembleia Municipal ainda em Abril, para que fique em vigor em Maio/Junho”, sendo “um PDM muito mais permissivo que o anterior, vai beneficiar em muito alguns dos investimentos no concelho, vai dar outras possibilidades de construção, tem uma área de REN e RAN substancialmente inferior, acho que este plano vai trazer, ou possibilitar, que coisas que hoje não seriam possíveis realizar no concelho de Mora, nomeadamente construções, possam passar a ser feitas em determinados locais.”

O autarca deixa no entanto um esclarecimento para que as pessoas entendam que os PDM, “não são aquilo que as câmaras querem, são aquilo que as câmaras conseguem”, isto porque “há a legislação nacional, regional, a que têm que obedecer, e depois há todo um conjunto de entidades que analisam aquilo que são as nossas pretensões e em função do seu entendimento, umas vezes conseguimos chegar onde queremos, outras vezes temos que negociar uns meios-termos”, sendo que para o seu entendimento “de facto o que é importante para mim neste caso é que vamos ter um PDM muito mais eficiente e muito menos penalizador para as pessoas do que o tínhamos antes, um ganho substancial.