Hospital de Santarém realiza primeiras cirurgias torácicas

6 Dezembro 2021, 13:00 Não Por Redacção

 

 

Tendo em conta as novas valências do Hospital Distrital de Santarém (HDS), realizaram-se no dia 24 de Novembro, as primeiras cirurgias torácicas, possíveis após a entrada de um cirurgião torácico no corpo clínico da unidade hospitalar.

Segundo o director do Serviço de Pneumologia do HDS, Gustavo Reis, na referida unidade multidisciplinar, que visa essencialmente a prestação de cuidados de excelência ao doente oncológico pulmonar, “a colaboração de um cirurgião torácico aporta enriquecimento à decisão terapêutica, capacidade de diagnóstico e de tratamento“. Deste modo, “além da actividade cirúrgica, a sua actividade contempla a realização de consulta externa e consultoria“.

Como tal, acrescenta o pneumologista, “outros serviços irão, de igual modo, beneficiar com a possibilidade de referenciação à consulta externa, obtenção de parecer em doentes internados e abordagem cirúrgica de patologia benigna, nomeadamente infecciosa“.

Por sua vez, Cláudia Lares dos Santos, responsável da Unidade de Pneumologia Oncológica, destaca que “a presença de um cirurgião torácico diminui o tempo de espera decorrente de referenciações sequenciais“. Por outro lado, afirma,   “parece mesmo aumentar a taxa de referenciação para cirurgia de resseção pulmonar com intuito curativo a qual, como sabemos, constitui o melhor tratamento que podemos oferecer a um doente com cancro do pulmão, quando há indicação para tal“.

João Santos Silva é o cirurgião torácico recentemente contratado pelo HDS. Em entrevista, o especialista salienta que “a cirurgia torácica pode intervir em diversas patologias e cenários, desde o doente com neoplasia pulmonar até ao doente internado por infecção respiratória ou traumatismo torácico“.

O objectivo desta colaboração será uma resposta mais atempada das situações de internamento, evitando transferências inter-hospitalares e tempos de espera, no melhor interesse do doente, permitindo o seu tratamento em Santarém, mais perto de casa e da família, sem desperdício de recursos“, acrescenta João Santos Silva.

De acordo com o HDS, neste projecto estiveram desde o início envolvidas muitas equipas do HDS. Desde a preparação do doente até ao apoio pós-operatório, que envolveu a pneumologia, a anestesiologia, a cirurgia torácica, a cirurgia geral, a unidade de cuidados intensivos, a medicina física e reabilitação e equipas de enfermagem do bloco operatório, da enfermaria de pneumologia e unidade de cuidados intensivos.


Fotografia: Direitos Reservados