Hospital de Santarém investe na segurança de doentes e profissionais

Hospital de Santarém investe na segurança de doentes e profissionais

9 Fevereiro 2021, 12:35 Não Por Redacção

O Hospital Distrital de Santarém (HDS) apresentou esta terça-feira, um balanço da actividade de 2020, onde investiu cerca de 2,1 milhões na unidade, tendo uma fatia importante deste montante sido destinada à segurança de doentes e profissionais.

“Apesar de termos vivido um ano perfeitamente atípico, em que a situação pandémica condicionou o normal funcionamento das instituições, o HDS continuou a executar o seu plano de investimento plurianual”, refere o Conselho de Administração, que destaca o reforço em equipamentos para os novos blocos cirúrgico e de partos e para fazer face à pandemia, assim como a reparação global dos quatro elevadores centrais e a aquisição de equipamento para a Otorrinolaringologia e para a Oftalmologia.

“A segurança dos utentes e profissionais foi, desde sempre, uma das maiores preocupações do Conselho de Administração, pelo que a reparação dos elevadores em 2020 e a próxima a ser realizada durante o corrente ano de 2021 dos outros quatro elevadores internos será o concretizar de um dos grandes objetivos que se propôs atingir nestes dois anos”, destaca.

Apesar das dificuldades sentidas em 2020 e de todo o volume de investimento realizado, bem como da subida exponencial de alguns custos relacionados com a pandemia (equipamentos de proteção individual, testes, reagentes e material hoteleiro), o HDS continuou a promover uma recuperação do prazo médio de pagamento a fornecedores, que “tem tido uma evolução muito positiva nos últimos três anos”, bem como na continuidade do seu equilíbrio e estabilidade de tesouraria.

“Terminámos o ano de 2020 com um prazo médio de pagamento na ordem dos 124 dias, o melhor desiderato atingido desde há muitos anos a esta parte”, avança o Conselho de Administração, lembrando que em 2017 o prazo se situava nos 390 dias, em 2018 nos 243 dias e em 2019 nos 146 dias, o que significa uma redução de cerca de 17% entre 2019 e 2020.

Além do pagamento a fornecedores para liquidação de divida vencida, foram ainda privilegiados os pagamentos aos fornecedores do tecido económico local e regional.

Para tal, conclui, “muito contribuiu, à imagem do sucedido nos últimos anos, o reforço financeiro proveniente da tutela conjugado com um montante do seu orçamento de tesouraria, que permitiu realizar no passado mês de dezembro pagamentos a fornecedores na ordem dos 7, 910 milhões euros”.