Homenagem a dois coruchenses marca arranque da Bienal de Coruche focada na sustentabilidade (Com Fotos)

18 Setembro 2021, 22:20 Não Por Redacção

Uma representação na Travessa do Arco, em Coruche, assinada pelo ‘Ruido’, que eterniza a memória de Heraldo Bento e António “da Barca”, foi a obra mais marcante da Bienal de Coruche, que teve este sábado, 18 de Setembro, a sua inauguração.

A concurso apresentaram-se dez obras inspiradas na sustentabilidade, realizadas por igual número de artistas, com o júri a atribuir à obra “Underwater”, de Antonieta Martinho, exposta numa pérgola da Avenida Luís de Camões, o primeiro lugar, outorgando ainda duas menções honrosas às obras, Ambiente Suspenso de Tiago Margaça e m+H de Margarida Esteves.

Dulce Patarra, responsável do município de Coruche pela organização da décima Bienal de Artes Plásticas de Coruche destacou o facto desta edição se realizar no decurso da pandemia, o que a tornou ainda mais desafiante mas também mais bela.

Até dia 5 de Outubro a zona histórica de Coruche manterá expostas as obras, que podem ser vistas num percurso recheado de atractivos e de excelentes obras de arte.

Paralelamente foi também apresentado o livro infantil “Coruche, a Princesa”, da autoria de Ana Cláudia Cunha, ilustrado por Liliana Barata, que deu mote também à peça de teatro “Era uma vez… Coruche, a Princesa” com o Grupo Poema na Vila a interpretar a história, para encanto de miúdos e graúdos.

Expostas estão também as fotografias de Coruchenses que uma vez mais se associaram à Bienal de Coruche, havendo também lugar para dois momentos da programação em rede da CILMT, as “Estátuas Vivas” e a instalação artística “Mãe Coruja”, da autoria da artista visual Catarina Glam.

Não menos importante de destacar também a apresentação do projecto Envolvências Locais que aproximam e envolvem a comunidade do Concelho de Coruche, nomeadamente escolas, associações, fotógrafos, artesãos e artistas em torno do tema da Bienal, que este ano assenta no mote “Respirar Arte com Sustentabilidade” – força motriz dos artistas com obras em exposição, que criam os elementos decorativos das Envolvências Locais, sensibilizando para o tema da reutilização e que se encontram expostos ao longo do percurso e mesclados com as obras.