Governo decreta luto nacional pela morte de Jorge Sampaio nos dias 11, 12 e 13 de Setembro

10 Setembro 2021, 14:58 Não Por Redacção

O Conselho de Ministros aprovou, por via eletrónica, o decreto que declara luto nacional nos dias 11, 12 e 13 de Setembro em homenagem ao ex-Presidente da República Jorge Sampaio. São decretadas cerimónias fúnebres de Estado.

Em comunicado, o Governo refere que Jorge Sampaio foi uma personalidade incontornável da vida política portuguesa. Ainda estudante, participou na oposição à ditadura do Estado Novo, tendo sido um dos líderes da crise académica de 1962. Como cidadão e advogado defendeu vários presos políticos e prosseguiu a luta pela instauração da democracia em Portugal. Depois do 25 de Abril, foi membro do Governo, deputado e líder parlamentar, assim como presidente da Câmara Municipal de Lisboa. Foi ainda secretário-geral do Partido Socialista.

Foi Presidente da República entre 1996 e 2006, tendo posteriormente assumido elevadas responsabilidades internacionais, entre as quais as de representante do Secretário-Geral das Nações Unidas para a Aliança das Civilizações e de Enviado Especial do Secretário-Geral das Nações Unidas para a Luta Contra a Tuberculose. Dedicou uma especial atenção a múltiplas causas cívicas e humanitárias, delas se destacando a fundação da Plataforma Global de Apoio aos Estudantes Sírios. 

Nas suas funções profissionais, cívicas, partidárias e institucionais, Jorge Sampaio sempre se distinguiu pela profunda cultura democrática, a sensibilidade social, o humanismo, o sentido ético, o serviço público, o constante compromisso com Portugal e com todos os Portugueses. Foi também um firme defensor da construção europeia, do multilateralismo e da cooperação internacional. 

O falecimento de Jorge Sampaio constitui uma enorme perda para o nosso País. Teve sempre um olhar de futuro com desassombro e determinação, procurando sempre encontrar uma solução para os problemas numa clara perspectiva de sustentabilidade e durabilidade. A sua vida é uma lição para todos, uma referência moral e cívica que o tempo não apagará e que nos cabe a todos manter viva».