Glória, Granho e Muge vão ter centro de compostagem comunitária

Glória, Granho e Muge vão ter centro de compostagem comunitária

11 Novembro 2021, 17:37 Não Por Redacção

Numa parceria entre a Ecolezíria e as Juntas de Freguesia de Glória do Ribatejo e Granho e Muge serão instalados dois centros de compostagem comunitária, num projecto-piloto levado a cabo pela empresa intermunicipal de recolha e tratamento de resíduos urbanos, que inclui também a criação de centros em Benfica do Ribatejo, Pontével e Alpiarça, num total de cinco pontos comunitários de compostagem de resíduos.

De acordo com o que informa a Ecolezíria em comunicado, “esta acção, que surge no âmbito de um projecto de Compostagem Comunitária, tem o objectivo de reforçar o incentivo da comunidade a transformar resíduos orgânicos em fertilizante natural, contribuindo para a redução da pegada ecológica.”

“Recorde-se que no início deste ano, a Ecolezíria lançou uma iniciativa de compostagem doméstica, ‘Adopte um Compostor’, que ainda se encontra a decorrer, mas que implica a existência de um terreno para colocar um compostor. A compostagem comunitária vem permitir ‘compostar’ sem ter um compostor em casa”, refere Dionísio Mendes, administrador executivo da Ecolezíria.

Os Centros Comunitários de Compostagem são constituídos por uma zona de recepção de verdes, zona de compostores e zona de recepção de resíduos orgânicos provenientes da população aderente. Para colocar em prática o projecto cada Junta de Freguesia, que irá gerir o espaço, recebeu ainda um biotriturador portátil, um crivo, cinco contentores de 240 litros para armazenamento dos resíduos, cinco carrinhos de mão, entre outros utensílios e ferramentas.

Os interessados em aderir no processo de compostagem comunitária devem contactar a respectiva Junta para receberem em casa e de forma gratuita um balde de 30 litros e um conjunto de sacos biodegradáveis, onde irão depositar os resíduos produzidos, que mais tarde deverão ser entregues no centro de compostagem. Este balde não necessita estar colocado num terreno. Os sacos protegem o conteúdo a biodegradar.

“Mais tarde, o composto produzido nos centros de compostagem pode ser reutilizado pelos participantes na fertilização das suas plantas ou ser canalizado para fertilização de espaços verdes públicos”, clarifica Dionísio Mendes.

Esta iniciativa, cofinanciada pelo Programa Operacional de Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos (POSEUR), visa incentivar a população a reaproveitar os resíduos biodegradáveis produzidos em contexto doméstico, transformando-os num produto rico em nutrientes, denominado composto, óptimo para utilizar como fertilizante natural. A aplicação desta técnica permite reduzir significativamente o envio de resíduos devolvendo à terra o composto naturalmente produzido.

Esta campanha da Ecolezíria está inserida na estratégia da empresa, que tem em implementada a campanha “A Rua é a Casa de Todos”, e que “pretende assegurar o cumprimento das metas definidas pela União Europeia para a reutilização e a reciclagem de 55% dos resíduos urbanos em 2025 e 65% em 2030”, salienta a empresa.

Com este projecto a empresa, que tem como meta melhorar a prestação dos serviços à comunidade e ser um dos Sistemas de Gestão de Resíduos Urbanos (SGRU) que contribui fortemente para que Portugal atinja as metas da reciclagem e reduza a produção de resíduos indiferenciados, pretende implementar também o projecto-piloto de recolha de resíduos porta a porta, bem como a criação de mais e melhores pontos de recolha de resíduos urbanos bem como de resíduos recicláveis.