Deputados socialistas questionam Ministra da Saúde e afirmam que reabertura de SAP de Coruche “aliviaria pressão no Hospital de Santarém”

Deputados socialistas questionam Ministra da Saúde e afirmam que reabertura de SAP de Coruche “aliviaria pressão no Hospital de Santarém”

23 Novembro 2021, 11:00 Não Por Redacção

Os quatro deputados eleitos pelo Distrito de Santarém, entre eles a coruchense Mara Lagriminha, bem como Hugo Costa, António Gameiro e Manuel Afonso, remeteram esta semana um conjunto de questões à Ministra da Saúde, Marta Temido, sobre a reabertura do Serviço de Atendimento Permanente (SAP) de Coruche, no período nocturno.

Para os socialistas, a reabertura do serviço encerrado em Março do ano passado, na altura tendo em conta a necessidade de afectar os recursos no combate à pandemia, faz todo o sentido, considerando estes que já se justifica a reconversão do horário de forma a “aliviar a pressão” sobre as urgências do Hospital Distrital de Santarém.

“Que medidas estão a ser tomadas junto da ARSLVT [Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo] e do ACES [Agrupamento de Centros de Saúde] da Lezíria para resolver este constrangimento que coloca as populações do concelho de Coruche e dos concelhos limítrofes numa situação de vulnerabilidade na resposta de SAP? Que medidas são necessárias para que estejam equacionadas as condições necessárias para repor a resposta do SAP por 24 horas, como sempre foi?”, interrogam os deputados dirigindo-se à Ministra da Saúde.

Com a pandemia a entrar na quinta vaga e o período sempre difícil do Inverno, os deputados referem que “a época que atravessamos é um período propício a um aumento do número de gripes e constipações, bem como outras urgências. Um despiste rápido num SAP pode evitar quer uma ida desnecessária à rede hospitalar, quer um dano maior que se criaria com a distância”.

Para estes a não reposição do horário representaria “um enorme retrocesso” nos ganhos criados por esta rede de cuidados de saúde, lembrando que a conquista do SAP em Coruche foi “determinante para responder às grandes distâncias” deste concelho, com mais de 1 115 quilómetros quadrados e com freguesias que distam mais de 30 quilómetros da sede de concelho e mais de 70 quilómetros da capital de distrito e do Hospital Distrital de Santarém.