Critérios para a realização de testes podem ser alargados

Critérios para a realização de testes podem ser alargados

8 Fevereiro 2021, 16:04 Não Por Redacção

O Ministério da Saúde está a avaliar junto da Direção-Geral da Saúde (DGS) o possível alargamento dos critérios para a realização de testes de diagnóstico ao novo coronavírus no rastreio de contactos, revelou hoje a ministra Marta Temido.

“Neste momento, os testes são sobretudo preconizados para os contactos de alto risco e aquilo que pedimos que fosse avaliado tecnicamente era a possibilidade de o teste ser mais abrangente, independentemente do risco do contacto”, afirmou a governante numa conferência de imprensa, na qual fez um ponto de situação sobre o plano de vacinação contra a covid-19, após uma reunião, por videoconferência, com a ‘task force’ para o plano nacional de vacinação contra a covid-19.

Portugal atingiu em janeiro um máximo de testes, que chegou a ultrapassar “os 77 mil num determinado dia”, segundo a ministra da Saúde, que reiterou que a posição do Ministério é a de que “não podemos deixar cair o número de testes”, mesmo perante um abrandamento da situação epidemiológica no país.

“Sabemos que um número elevado de testes é a melhor forma de garantir que mesmo com uma epidemia que parece estar a decrescer, nós continuamos a detetar o mais precocemente possível todos os casos”, frisou, sublinhando: “Temos de intensificar o esforço do lado da oferta para continuar precocemente a identificar muitos casos”.

Por outro lado, Marta Temido assegurou que o país já está a responder de forma mais positiva ao nível dos inquéritos epidemiológicos, depois de uma parte significativa de doentes não ter sido alvo de contacto na pior fase da pandemia, em janeiro. E com o decréscimo do número de casos, a governante perspetivou mesmo “algum alívio” ao nível dos inquéritos epidemiológicos e do rastreio de contactos.

“Tem sido feito um esforço muito significativo ao nível das regiões para melhorar os tempos de resposta com a mobilização de modelos colaborativos de realização de inquéritos, ou seja, num primeiro contacto as pessoas podem ser contactadas por um profissional que está formado para o efeito, mas que depois passa o trabalho – se for necessário – a outro colega. Isso permitiu-nos melhorar bastante o nível de pendências”, explicou.

Marta Temido finalizou a conferência assinalando o “aumento da vacinação nas próximas semanas, e apontando que o “incremento na testagem, mesmo que a epidemia esteja a baixar”, e à melhor resposta possível aos doentes que precisam de cuidados de saúde, sem esquecer a recuperação das “respostas não covid o quanto antes”.


Agência Lusa