Bienal de Coruche regressa ao Coração de Coruche. Inscrições abertas até 22 de Agosto

18 Maio 2021, 16:11 Não Por Redacção

A Câmara e o Museu Municipal de Coruche organiza, este ano a décima edição da Bienal de Coruche – Percursos com Arte, subordinada ao tema “Respirar Arte com Sustentabilidade”.
Esta edição, decorrerá no coração da Vila de Coruche entre os dias 18 de Setembro e 5 de Outubro de 2021, “vem reforçar a articulação simbiótica entre a obra artística e o espaço envolvente,” refere a autarquia de Coruche em comunicado.
Considerando a premência da divulgação da actividade cultural em cenário pandémico, “a Bienal pretende, em contraciclo, integrar as obras no meio urbano e arquitetónico, aproximando público, artistas e cultura do ambiente ribeirinho“, acrescentam.

Desde 2013 que a Bienal intervém num percurso urbano, de cariz rural, onde as obras selecionadas têm impacto nas suas variadas formas de expressão. Em 2021 a sustentabilidade é a palavra-chave e o tema que une mentes criativas à ciência.
O desafio centra-se no desenvolvimento sustentável e na economia circular, reciclando-se resíduos e memórias que provoquem novas abordagens e soluções, traduzindo-se a sustentabilidade numa linguagem artística que resgate despojos do passado e recrie o presente, novo e sustentável“, sendo os artistas convidados a procurar soluções inovadoras e originais pela aplicação de resíduos, tais como desperdícios alimentares e industriais, plástico, papel, materiais de uso doméstico em fim de vida, entre outros.

Neste contexto, é relevante a sustentabilidade do montado de sobro e cortiça como  fonte de inspiração criativa. O montado é, aliás, a paisagem mais icónica de Ribatejo e Alentejo, sendo um marco da identidade, das tradições e dos costumes, bem como foco de grande tradição cultural e etnológica. Já a cortiça é um exemplo paradigmático de sucesso em economia circular, tratando-se de um recurso endógeno que pode, inclusivamente, oferecer plasticidade a processos criativos. Porque nada se perde, tudo se transforma, o tema “Respirar Arte com Sustentabilidade” visa também aproximar-nos de um futuro a céu aberto e sem máscaras que se deseja próximo

Tratando-se de um concurso de instalações artísticas a concretizar ao longo de um percurso exterior previamente estabelecido, a décima Bienal dá ainda aos participantes a possibilidade de optarem pela intervenção em outdoor, à semelhança da edição de 2015. Ambos os tipos de intervenção serão distribuídos ao longo do percurso, apresentado em mapa anexo às normas de participação, podendo também ser visualizado nos sites da Bienal e do Museu, ou nas respetivas redes sociais.

Podem concorrer artistas nacionais ou estrangeiros, residentes em Portugal, com o máximo de dois projetos originais, apresentados em maqueta, desenho, montagem fotográfica ou outra forma que melhor se adeque à intenção do autor. A seleção dos projetos a concurso estará a cargo de um Júri constituído por um representante da organização, pelo curador da Bienal e por um artista ou professor de Artes Visuais convidado.
Os critérios de seleção concentram-se na qualidade conceptual e formal do portefólio, na pertinência conceptual face ao tema proposto, na inovação do projeto a desenvolver, na criatividade e no respeito por boas práticas ambientais.

A concretização dos projetos selecionados será apoiada financeiramente através de um subsídio de conceção e montagem no valor de 600 euros. Ao vencedor será atribuído um diploma e um subsídio ao desenvolvimento artístico no valor de 3000 euros. O Júri reserva-se o direito de atribuir Menções Honrosas. Poderá ainda ser distinguido o autor da obra mais votada pelo público.
Os formulários de inscrição estão disponíveis no site da Bienal, no Museu Municipal de Coruche e ainda no respetivo site. Os projetos devem ser entregues na receção do Museu até dia 22 de Agosto de 2021 (10h30-13h00/14h30-18h00, de terça a domingo) ou via e-mail (candidaturas@bienaldecoruche.org) até às 23.59 horas do mesmo dia.

As normas de participação estão desde já disponíveis no site da Bienal