Benavente com orçamento de 26,5 Milhões de euros em 2022

4 Janeiro 2022, 15:06 Não Por João Dinis

A Câmara Municipal de Benavente aprovou esta segunda-feira, com os votos favoráveis da CDU e PS e contra do PSD e Chega, o orçamento municipal para o ano 2022, num valor de 26,5 Milhões de euros, que pode chegar aos 33 Milhões com a inclusão do saldo de gerência, em Fevereiro.

Carlos Coutinho, Presidente da Câmara Municipal de Benavente, questionado sobre os principais investimentos do município programados para 2022, este refere-nos que “são muitas medidas, algumas que estão já a decorrer”, acrescentando que “são projectos que consideramos estruturantes, que têm a ver com o objectivo que temos de dar uma melhor imagem dos nossos espaços urbanos, mas sobretudo também dar melhores condições para todos aqueles que aqui residem ou que se pretendem fixar como residência ou para os nossos investidores.”

Estamos com muitos projectos no que diz respeito à requalificação da rede viária, com construção de passeios de asfaltamento, etc., que são para nós condições vitais para quem aqui se instala”, frisa o autarca, que acrescenta que “são vários milhões de euros de investimento nesta área”.

Também a área cultural será uma forte aposta do município, destacando Carlos Coutinho, “o Museu Municipal em Benavente, que está a ser requalificado”, bem como “começarmos a avançar para também a requalificação de um edifício que eu creio que é uma referência para muitos de nós, que é o Celeiro junto ao Largo do Calvário em Samora Correia, onde foi possível assinarmos um acordo com a Companhia das Lezírias, um contrato de comodato, que nos permite avançar desde já para o projecto que diz muito às gentes de Samora, é algo muito ambicioso e muito esperado, dado que ali se pretende preservar muitas daquelas que são as nossas raízes as nossas características, que são transversais também ao concelho, desse ponto de vista também é mais uma oferta que o município vai desenvolver“, anunciando assim a criação do Museu de Samora Correia.

Também a ligação das ciclovias entre Benavente e Samora Correia é um dos projectos para este orçamento, “um projecto ambicioso, mas queremos desde já trabalhar nesse sentido”, anuncia, “como também alguma requalificação de alguns outros espaços ponto de vista ambiental que estão previstos, nomeadamente a zona do Valverde, onde queremos dar ali uma imagem diferente à entrada de Benavente, como tem vindo a acontecer neste trecho também da Estrada Nacional 118”, bem como um conjunto de investimentos “transversal ao município como é o caso de Santo Estêvão, onde se pretende fazer a requalificação do troço da EN118, com a construção de um espaço requalificado para valorizar todo aquele centro que começa a ter cada vez mais uma importância decisiva”.

Carlos Coutinho refere ainda que “há outras matérias que não estão ainda previstas, mas são absolutamente necessários”, como “as respostas que temos tido na área da educação, na área daquilo que diz respeito também à área social, terceira idade, infância, os projectos de parceria que temos de ter com as nossas IPSS e que são absolutamente fundamentais”, cujas verbas serão conhecidas após a inclusão do saldo de gerência no orçamento para 2022.

O município está num processo de crescimento significativo”, diz-nos com orgulho, mas consciente que “são muitas as pessoas que aqui se estão a fixar”, o que “por um lado é algo de muito importante porque é a perspectiva de futuro, não há futuro sem pessoas, mas é também muito exigente do ponto de vista da resposta que temos que dar, e se queremos efectivamente um município que seja reconhecido e que vá de encontro a aqueles que o escolhem para aqui residir é obviamente necessário termos a oferta”, que vai desde os equipamentos escolares, aos desportivos e culturais ”de forma a que as pessoas para além das boas condições que temos naturais, também se sintam devidamente integrados e com uma oferta qualificada que é isso que nós queremos no fundo pretendemos a harmonia e o bem estar para todos”.

O Orçamento municipal irá agora ser ratificado em Assembleia Municipal, sendo que no mês de Fevereiro será incrementado com o saldo de gerência, podendo ainda ter a sua conta final e todos os projectos delineados para o ano 2022.

O PSD justificou o seu voto contra  por considerar que este “orçamento não é um documento com visão estratégica para o concelho”, criticando ainda a gestão feita pela CDU, agora com o apoio do PS, considerando que se trata de “gestão corrente do município”.

Também o Chega votou contra, argumentando de forma semelhante ao PSD, referindo-se ao orçamento da CDU, como “um orçamento de ilusão e pouco rigoroso”, com o qual a vereadora eleita não se identifica.

__________________________________________________________________________________________