Administração Regional de Saúde desconhecia encerramento do SAP de Coruche – Actualizada

28 Novembro 2021, 11:08 Não Por João Dinis

 

 

O encerramento do Serviço de Atendimento Permanente (SAP) de Coruche, entre as 20 e as 8 horas, parece ter ‘escapado’ ao conhecimento da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), ainda que o mesmo tenha ocorrido desde Março de 2020, e desde essa altura tenha sido alvo de forte contestação, por parte da população e de autarcas.

Essa foi a ideia transmitida pela Vice-presidente da Câmara Municipal de Coruche, Fátima Galhardo, que na última reunião de câmara deu conta de um encontro entre o Município e a ARSLVT, que terá ficado surpresa com a solicitação do município para a reabertura das ‘urgências’ no período nocturno, uma vez que desconhecia que as mesmas não funcionavam depois das 20 horas.

Contactada pelo Notícias do Sorraia, onde solicitamos à ARSLVT um esclarecimento sobre a situação e sobretudo a possibilidade de reabertura do Serviço de Urgências de Coruche durante as 24 do dia, estes referem que “as exigências desta pandemia têm variado ao longo do tempo e a ARSLVT tem adaptado a sua resposta às necessidades ditadas pela COVID-19, conciliando com as necessidades não-COVID.”

Para a ARSLVT “isso mesmo tem sido demonstrado pelo SAP de Coruche, que mantém a sua capacidade de resposta das 8 às 20 horas, todos os dias da semana, incluindo feriados”, pelo que “como tal, qualquer decisão sobre o SAP de Coruche terá de se analisada neste contexto (evolução da pandemia e conciliação com resposta não-COVID)”.

Refira-se ainda que se encontra agendada para o próximo sábado, 4 de Dezembro, uma concentração, junto do Centro de Saúde de Coruche, promovida pela CDU e que pretende reivindicar a abertura do SAP as 24 horas do dia.


ACTUALIZAÇÃO – Após a publicação da notícia, contactou o Notícias do Sorraia a vereadora Fátima Galhardo, com o objectivo de esclarecer que o que a ARSLVT não teria conhecimento da intenção da reabertura do SAP, no período nocturno.

Fátima Galhardo, que presidiu à reunião da Câmara Municipal de Coruche, esclareceu que essa era a ideia que pretendia transmitir, não a de que a ARSLVT não tinha conhecimento do encerramento do Serviço de Atendimento Permanente desde Março de 2020.